Home » Falsas Premissas by Ellen Esser
Falsas Premissas Ellen Esser

Falsas Premissas

Ellen Esser

Published
ISBN :
Kindle Edition
889 pages
Enter the sum

 About the Book 

... Mirei o relógio de cabeceira. Uma e quinze da manhã.— Acorde e levante-se, Angélica.Virei na cama e deparei com ele no meu quarto, de tirar o fôlego, num smoking feito sob medida.Meu Deus! — pensei atônita acreditando estar sonhando. EleMore... Mirei o relógio de cabeceira. Uma e quinze da manhã.— Acorde e levante-se, Angélica.Virei na cama e deparei com ele no meu quarto, de tirar o fôlego, num smoking feito sob medida.Meu Deus! — pensei atônita acreditando estar sonhando. Ele estava arrasador. Os ombros largos, o tórax estufado ocultado pela camisa branca sedosa, a faixa ao redor da cintura- o tecido fino das calças- os sapatos lustrosos. Tudo funcionando para minar a boa vontade, o controle e a moralidade de qualquer mulher.Ele estava irresistível.A barba bem cuidada, os cabelos úmidos arrumados displicentemente e aquele olhar safado não deixava dúvida de que ele tinha 85% da batalha de sedução no papo, os outros quinze por cento ganhava no charme.— Vista-se! — ele proferiu austero apontando para um ponto do quarto — Nós vamos a uma festa.— O que?! — sentei de supetão, dando-me conta que não se tratava de um sonho. Ele realmente estava no meu quarto.Ele me olhou severo. Abaixei o olhar no mesmo instante.— Disse alguma coisa, Angélica? — perguntou em tom de alerta.— Não senhor. — balancei a cabeça, não para negar mas para acordar de vez.— Foi o que pensei. Em vinte minutos quero que esteja no hall de entrada. — determinou, se virou e deixou o quarto.Literalmente pulei da cama, acendi a luz e girei no quarto como uma barata tonta. Então percebi o vestido no cabide sobre a poltrona.Corri para o banheiro, fiz a higiene, lavei o rosto com água fria várias vezes e comecei a maquiagem. Com isso pronto borrifei o perfume na pele, fui para o quarto peguei o vestido e procurei pela lingerie.Rá! Sem lingerie. — descobri ao carregar o cabide para o closet onde me vesti.No hall, me coloquei sob o lustre e mantive os olhos baixos. Senti o ar se agitar quando ele se aproximou. O perfume masculino, mais uma vez incendiou meu instinto. Ele parou diante de mim e deduzi que me avaliava. Notei a capa de seda preta em dupla face azul noite.— Olhe para mim. — exigiu, levantei os olhos e enfrentei os dele que miravam meu rosto, depois minha boca — Precisa usar isso essa noite. — disse ao passar a capa por meus ombros e a amarrou ao redor do pescoço, depois retirou do bolso uma máscara forrada com renda gripier preta e aplicações de cristais brancos.Repousou a mascara sobre meu nariz que se ajustou a delicada curva do material aveludado e passou para trás de mim fechando as fitas atrás da minha cabeça.Meu coração ansioso, estimulado pela imaginação curiosa e fértil parecia querer saltar do peito. Pairava sobre nós uma pesada aura de erotismo e isso somado a tensão sexual que agitava meu corpo sempre que estava na presença dele, resultava em calor e umidade íntima.— Vamos a um baile de máscaras e nessa noite podemos viver todas as nossas fantasias com privacidade....Tudo aquilo estava muito além do que a minha imaginação permitia. Aquele não seria um baile de máscaras puro e simplesmente, o tema era só um pretexto para que todos dessem vazão as suas fantasias íntimas, ao passo que resguardavam suas verdadeiras identidades.Ele tocou a minha cintura e me encaixou entre suas pernas fazendo com que o sentisse. Nada mais natural já que aquele ambiente, exalava erotismo.Colocou a boca na minha orelha e mordiscou.— Você é minha, Angélica.